segunda-feira, 24 de março de 2014

Dia 24 de março - Padre Cícero


Oração ao Padre Cícero
Valei-me Padrinho Cícero do Juazeiro Jesus adiante Paz na guia me encomenda a Deus e a Virgem Maria nossa mãe aos 12 Apóstolos meus.
 Irmãos, andaram entre dias e noites, eu e meu corpo cercado e circulado com as armas, de S. Jorge, meu corpo não será preso, nem ferido, nem meu sangue derramado, anda Rei tão livre como o corpo de N.Sr. Jesus Cristo 9 meses no ventre da Virgem Maria, Amém.
Meus inimigos terão olhos e não verão; Terão boca e não me falarão; terão pés e não me alcançarão; Terão mãos e não me ofenderão. Todos aqueles que andarem com esta oração de meu Padrinho estará livre dos perigos.
Para andar com esta oração não é preciso saber ler e nem escrever, será o suficiente ter Fé em Jesus Cristo para alcançar os Milagres do meu Padrinho Cícero do Juazeiro.

segunda-feira, 10 de março de 2014



 A Frumigaria Arte em Tecido está completando 5 anos.
Queremos comemorar o aniversário com todos.
Para isso vamos sortear um quadrinho bastidor do Gordo e Magro, criado especialmente para esta comemoração.
Quer participar? Veja as instruções abaixo...
Para participar, é necessário seguir os seguintes passos:
- Residir no Brasil;
- Curtir a página da Frumigaria Arte em Tecido no facebook;
- Compartilhar a foto da promoção do sorteio;
- Clicar em PARTICIPAR na aba da promoção ou pelo link abaixo: 
 
https://www.sorteiefb.com.br/tab/promocao/317066

Só será válido para quem seguir todos os passos ok?
O envio será até o dia 15 de abril de 2014 via Correio.

domingo, 22 de dezembro de 2013


                 “Uma visita de São Nicolau”
 

Era véspera de Natal, e nada na casa se movia,
Nenhuma criatura, nem mesmo um camundongo;
As meias com cuidado foram penduradas na lareira,
Na esperança de que São Nicolau logo chegasse;
As crianças aconchegadas, quentinhas em suas fronhas,
Enquanto rosquinhas de natal dançavam em seus sonhos;
Mamãe com seu lenço, e eu com meu gorro,
Há pouco acomodados para uma longa soneca de inverno;
Quando no jardim começou uma barulhada,
Eu pulei da cama para ver o que estava acontecendo.
Para fora da janela como um raio eu voei,
Abri as persianas, e subi a cortina.
A lua no colo da recém caída neve,
Dava um lustro de meio-dia em tudo em que tocava,
Quando, para meus olhos curiosos, o que apareceu:
Um trenó miniatura, e oito renas pequenininhas,
Com um motorista velhinho, tão alerta e muito ágil,
E eu soube, na mesma hora, que era São Nicolau.
Mais rápido que uma águia vinha pelo caminho,
E assobiava, e gritava, e as chamava pelo nome;
“Agora, Dasher! Agora, Dancer! Agora, Prancer e Vixen!
Venha, Comet! Venha, Cupid! Venham, Donder e Blitzen!
Por cima da sacada! Para o topo do telhado!
Agora fora, depressa! Fora todos, bem depressa!”
Como folhas revoltas antes do furacão,
Sem encontrar obstáculos, voaram para o céu,
Tão alto, acima do telhado voaram,
O trenó cheio de brinquedos e São Nicolau nele também.
E então num piscar de olhos, ouvi no telhado
O toque-toque e o arrastar dos casquinhos.
Como um desenho em minha cabeça, assim que virei
Descendo a chaminé São Nicolau, nosso Papai Noel vinha resoluto
Todo vestido de peles, da cabeça até os pés,
E com a roupa toda manchada de cinzas e carvão;
Um saco de brinquedos em suas costas,
Parecia um mascate ao abrir o saco.
Seus olhos – como brilhavam! Suas alegres covinhas!
Suas bochechas como rosas, seu nariz como uma cereja!
Sua boquinha sapeca curvada para cima como num arco,
A barba em seu queixo tão branca como a neve;
O cabo do cachimbo bem preso em seus dentes,
A fumaça envolvendo sua cabeça como uma guirlanda;
Tinha um rosto redondo e uma barriga grande,
Que sacudia, quando ele sorria, como uma tigela de geléia.
Era gordinho e fofo, um perfeito elfo velhinho e alegre,
E eu ri quando o vi, sem poder evitar;
Uma piscada de olhos e um meneio de cabeça,
Na hora me fizeram entender que eu nada tinha a temer;
Não disse uma só palavra, mas voltou direto ao seu trabalho,
E recheou todas as meias; então virou no pé,
E colocando o dedo ao lado do nariz,
Acenando com a cabeça, a chaminé escalou;
Pulou em seu trenó, ao seu time assobiou,
E para longe voaram, como pétalas de dente-de-leão.
Mas ainda o ouvi exclamar, enquanto ele desaparecia
“Feliz Natal a todos, e para todos uma Boa Noite!”

Tradução do poema chamado “A Visit from St. Nicholas” (“Uma visita de são Nicolau”), escrito em 1822,  pelo reverendo norte-americano chamado Clement C. Moore para seus filhos.
Neste link é possível ver o manuscrito original: http://www.clementcmoore.com/

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Dia 31 de outubro é Dia do Saci

 

Texto: Os dez Sacizinhos

Tatiana Belinky


Um ficou imóvel,
E nunca mais se moveu,
E sobraram nove.

Eram dez os sacizinhos;
Eram 9 os sacizinhos;
Um comeu biscoito
O biscoito estava velho,
E sobraram oito.
Eram 8 os sacizinhos;
Um foi de charrete,
A charrete embarcou,
E sobraram sete.
Eram 7 os sacizinhos;
Um foi contra as leis,
Então teve de fugir,
E sobraram seis.
Eram 6 os sacizinhos;
Um colocou brinco,
Era um brinco enferrujado,
E sobraram cinco.
Eram 5 os sacizinhos;
Um foi ao teatro,
O teatro pegou fogo,
E sobraram quatro.
Eram 4 os sacizinhos;
Um foi pro xadrez,
Não conseguiu safar-se,
E sobraram três.
Eram 3 os sacizinhos;
Um comeu arroz,
O arroz era mofado,
E sobraram dois.
Eram 2 os sacizinhos;
Um ficou de jejum,
O jejum foi demasiado,
E sobrou só um.
Sobrou só um sacizinho;
Comeu urucum,
Urucum não é comida,
Não sobrou nenhum!
Mas de volta os trouxe a cuca,
 Todos de uma vez,
E agora os sacizinhos
Outra vez são dez!

quarta-feira, 15 de maio de 2013

terça-feira, 27 de novembro de 2012

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Você tem 50 minutos para sua criança?

 
Neste dia das crianças você tem 50 minutos para sua criança? é muito 50 minutos? Se tiver esse tempinho veja o vídeo abaixo "A criança em seu mundo" do genial educador, filosofo e muito mais Mário Sérgio Cortella... 


Aproveite, vale a pena!!!!
 
"E.T. phone home" !!!!! Ser criança é acreditar que bicicleta voa...

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Oração de São Francisco



Senhor! Fazei de mim um instrumento da vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe.
É perdoando que se é perdoado.
E é morrendo que se vive para a vida eterna.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Anúncio de Esperança


"Pensei, então, que o ato de plantar uma árvore é um anúncio de esperança. Especialmente se for uma árvore de crescimento lento. E isso porque, sendo lento o seu crescimento, eu a plantarei sabendo que nem vou comer dos seus frutos e nem vou me assentar à sua sombra.... Eu a plantarei pensando naqueles que comerão dos seus frutos e se assentarão à sua sombra. E isso bastará para me trazer felicidade!" 

Trecho de "Jardins" de Rubem Alves, texto completo em 
http://www.rubemalves.com.br/jardins.htm